04 junho 2016

Djamila Boupacha

Veio parar-me às mãos um livro de 1966, tradução de Djamila Boupacha. Djamila Boupacha é uma mulher argelina, que em 1960 foi presa e torturada na Argélia por militares franceses.
Djamila fazia parte da FLN (Frente de Libertação Nacional), tendo colaborado levando medicamentos a militantes e também acolhendo alguns em casa. NO entanto foi acusada de ter colocado uma bomba num local público e foi por isso torturada. O livro conta o processo judicial e a forma como a libertação de Djamila foi conseguida, apesar de todos os entraves políticos, (i)legais e burocráticos que puseram ao processo.
O que para mim foi mais significativo nesta história foi saber a razão porque a Djamila decidiu ingressar na FLN. Ela trabalhava num hospital, na Argélia, onde esperava ser colocada como efetiva. A certa altura soube que as muçulmanas, que ela era, não seriam, nunca, colocadas como efetivas. Foi nesse momento que ela decidiu opor-se à colonização francesa.
A mim, que desconheço o processo de ocupação da Argélia, e a forma como a colonização foi feita, faz-me imensa confusão como é que um país, há pouco saído da II Guerra Mundial, de uma ocupação, de um infindável número de mortes que se auto-justificava pela "supremacia da raça" é capaz, depois de tanto ter sofrido e lutado pela igualdade, fazer exatamente o mesmo aos outros.
Como é que a França, 15 anos depois de ter sofrido genocídios por causa da religião, foi capaz de cometer exatamente o mesmo crime?!
Isto tudo, porque agora os muçulmanos (não todos, claro) querem que se considere a supremacia da sua religião, da sua raça. Alguém lhes deu a ideia, não? 
Em princípio, depois da grande descoberta de Charles Darwin, de que todos descendemos do mesmo "ser", dever-se-ia ter entendido que somos todos iguais. Caso houvesse alguns problemas de entendimento, a experiência pessoal ou nacional, de uma consideração infundada sobre os inferiores e superiores deveria ser suficiente para se saber que somos todos iguais. Mas não...
Na verdade, a religião ou a superioridade da raça é só uma desculpa esfarrapada para dizimar pessoas... O que me custa é que tantos a usem.

01 junho 2016

Perguntas inteligentes

Mãe, porque é que o dente-de-leão se chama dente-de-leão e não juba-de-leão? Os dentes do leão são aguçados e não redondos. A juba do leão é que é parecida.