25 outubro 2013

Júlio Diniz




Apanhei por acaso um Júlio Diniz, Os fidalgos da casa mourisca. Por ignorância, imaginei que fosse tão confuso e rocambolesco como Os mistérios de Lisboa do Camilo Castelo Branco e julguei que iria encontrar o soporífero necessário para adormecer atempadamente nas noites de semana. 
Enganei-me, senhores!!!
A história, bastante banal por sinal, prendeu-me e acabou por ter o efeito perverso de me deixar acordada na leitura de "só mais um capítulo" as últimas noites, maltratando o meu sono necessário e fazendo-me acordar mais tarde e preguiçosa todos os dias da semana.
Ontem acabou: deu-se o final feliz nas páginas editadas pela Europa-América. Dentro do livro estão todos alegres e bem-dispostos, como eu os deixei... Mas e eu?! Que leio eu hoje à noite? Ou dormirei finalmente a boas horas? "Assim com'assim" preferia ficar acordar com pouco mais de sono e adormecer acompanhada pelo Júlio Diniz.



2 comentários:

Julieta disse...

Lê "As pupilas do senhor reitor" do mesmo autor. É igualmente bom.

mm disse...

Já fui o buscar à biblioteca, mas estou a ler outro agora :)