11 janeiro 2013

desejo para os próximos milénios

Era bom que não houvesse "maus". Que não tivesse de me preocupar em que me roubassem coisas, que não tivesse aquele medo terrível que todas as mães têm que nos levem os filhos, que as pessoas não deitassem lixo para o chão e apanhassem os cócós, que não fossem precisas multas, que não olhássemos de lado para pessoas com aspecto suspeito enquanto planeamos como reagir se a suspeita estiver certa, 
Era tão bom nunca ter a cabeça ocupada com preocupações que seriam inexistentes se as pessoas fossem todas boas. Ou mesmo indiferentes. 
Eu sei que há muita gente boa, a maioria das pessoas é gente boa, mas a gente má estraga a vida a tantos de nós. 
Ninguém me fez mal para estar aqui com este lamento, mas no outro dia saí de casa um bocadinho só para ir comprar buscar umas batatas. Deixei a miúda em casa com os seguintes conselhos: não atendas o telefone e não abras a porta a ninguém. E enquanto as batatas demoravam mais que o previsto fiquei a pensar nisto: porque temos de andar sempre com medo de alguém mau apareça para estragar a nossa vida? Porque não podemos deixar a criança em casa a brincar sem achar que alguma desgraça está para acontecer? Porque não podemos deixar as coisas pesadas (computadores, guitarras, malas de viagem) no carro quando vamos lá voltar? Porque nos obrigam a carregar com tudo como se estivéssemos a mudar de casa a pé? As pessoas más irritam-me por isso: mesmo sem fazer nada já me dificultam a vida e me deixam cheia de preocupações. 
Se ninguém roubasse, violentasse, matasse, enganasse podíamos preocupar-nos com as coisas que são mais importantes.
Eu gostava...

1 comentário:

Paula disse...

É.. Bem visto. Eu também gostava MUITO. Era um descanso...