28 setembro 2012

...

Estávamos no carro e eu explicava-lhe que vinha um amigo da mãe jantar a nossa casa. Que não era português, era de outro país e que não sabia falar a nossa língua.
- Oh, mas assim não posso conversar com ele.
- Ele sabe dizer e compreende algumas coisas.
- Sabe dizer "olá"?
- Sim.
- E "adeus"?
- Também.
- Está bem.
Com o conhecimento destas duas palavras seria possível ter uma conversa com princípio e fim. 
Continuei a falar do amigo: que ele há muitos anos tinha estado em Portugal...
- [entretida com os bonecos]
... que nós os dois  tínhamos ficado amigos nessa altura...
- [entretida com os bonecos]
 ....e que ele se tinha ido embora antes dela nascer. 
- É o meu pai? - pergunta ela de imediato.

Conclusão: qualquer pessoa que se tenha ido embora antes dela nascer é um pai em potência. Que fasquia tão baixa... e, infelizmente, tão verdadeira.

2 comentários:

gralha disse...

Ela anda mesmo a apalpar terreno :)

mm disse...

Faz bem. Se não for ela eu também não digo nada. Mas fico sempre com tanta pena, quando estes comentários dela surgem.