12 setembro 2012

A minha crise



Financeiramente, a minha vida está sempre no limbo: aguento-me, mas os gastos são no limite do possível, muita contenção, muita marca branca e poucos luxos. Vive-se.

No entanto, assim que há ou um corte nas receitas ou um aumento das despesas, tudo muda, seja ele pequeno ou grande, temporário ou permanente.

Desta forma, umas vezes somos uma família remediada, outras somos umas miseráveis.

Nesta semana soube de um grande corte nas entradas (uma receita vital para a manutenção desta família), que espero que seja temporário, embora não saiba por quanto tempo.

Tudo isto para dizer que hoje, quando entrei no supermercado para as compras do mês, tive de pensar um bocado. Com o carrinho de compras ainda vazio, interroguei-me: faço as compras como se estivéssemos bem ou como se fôssemos miseráveis? Para não entrar num espírito de ruína total inspirado na Pearl S. Buck, que me assolou o ano passado e que me deixou de rastos muito tempo, pensei positivo, acalmei-me a mim própria dizendo que era apenas temporário e comecei a pôr coisas no carrinho como se houvesse amanhã. Ainda assim, uma réstia de angústia fez despontar uma lágrima entre as prateleiras de material escolar.

2 comentários:

Paula disse...

Caramba. Até fiquei triste e ainda mais preocupada com isto tudo e connosco. Mas vai ser temporário! Calma.

Paula disse...

Até fiquei triste... e ainda mais preocupada com tudo isto e connosco. Mas caramba! Há-de ser temporário. Calma.
Beijinhos