20 abril 2012

crista da onda

As ondas e as fases são uma coisa do piorio. Tão depressa se está na crista da onda a curtir o vento e o sol, como somos engolidos lá para baixo e andamos num turbilhão a raspar na areia, às voltas, sem saber onde é para cima e é para baixo, a bater os pés e a dar aos braços freneticamente à espera de pôr a cabeça novamente à tona e respirar o ar que tanto nos falta.
Depois de uns dias na crista da onda, ando agora num turbilhão, às voltas, completamente embrulhada. Consigo ficar dias inteiros em casa sem adiantar grande coisa no trabalho, reduzi as corridas, hoje está sol e não me apetece correr, digo então a mim própria que tenho de trabalhar e fico por casa. Ontem à noite não arranjei companhia para sair. Fiquei em casa sozinha e disse: vai trabalhar! Não fui - vi televisão até tarde. Depois fui para a cama e disse: Lê um livro! Mas não li - fiquei a olhar para o tecto a pensar que desperdiço tempo útil. Hoje acordei cedo e disse: Vai trabalhar! E ainda não fui: lamento-me em público.
Crista da onda, onde estás?

2 comentários:

Paula disse...

Vai correr! Não te apetece, mas depois ficas logo com mais energia. Vai e pronto! Eu mando ;) E depois voltas da corrida, fresquinha e vais trabalhar!! Muito!
Até já. Só volto a falar contigo se fores correr meia hora que seja.

gralha disse...

Estou com a Paula. E não há como negar que este frio chuvoso não anima ninguém.