07 outubro 2011

Memórias dos sons

Há sons que fazem parte das nossas memórias e que já não são recuperáveis: os das K7 dos spectrums, enquanto os jogos carregavam, e os do final dos vinis, quando a agulha saía, ou nos telefones de disco, quando o disco ia para trás depois de marcar um número. São sons engraçados.
As campainhas dos eléctricos, quando para pedirmos para parar tínhamos de puxar um cordão que corria no tecto.
Muitos dos sons que agora correm não tem uma ligação causa efeito entre uma material ou uma acção e o som produzido. É apenas um som, como podia ser outro qualquer. E de repente os sons deixam de fazer sentido, de ter uma origem.
Nem sei bem que reflexão é esta, mas é qualquer coisa que me dá que pensar, embora não saiba em que sentido.

1 comentário:

Marilda disse...

Tenho saudade dos velhos sons e neles encontro sentidos...Amei seu blog, bjs