29 setembro 2011

ortografia portuguesa

Sabiam que por volta de 1500 houve um dicionário português em que se defendia a simplificação da escrita e a aproximação à oralidade? Por exemplo, escrever umedo em vez de húmido, umano em vez de humano e sustância em vez de substância? O que é engraçado, pois parece que a discussão é nova, mas afinal não é. Sabiam que esses primeiros dicionários/gramáticas tinham por norma escrever o erro e depois a forma correcta: assentar (errado) - sentar (certo)?  Ou seja, se não soubessemos falar mal, não saberíamos como falar bem*. Vemos também qual a evolução fonética da língua e como essa evolução foi travada e fez marcha atrás tantas vezes, por haver da parte dos intelectuais o desejo de aproximar a língua ao latim (que era tido como mais culto).
A exposição tem piada, especialmente se lermos os painéis (ou se alguém os ler para nós).
Aconselho: Faculdade de Letras de Lisboa até 8 de Outubro
Toda a exposição é feita com base nos livros da biblioteca de Leite de Vasconcelos, alguns deles diponíveis on-line em http://legadovasconcelos.fl.ul.pt/.
 
* Mais ou menos: as formas erradas não ocupavam assim tantas páginas. É mais parecido a uma errata.

Sem comentários: