30 julho 2010

3 anos, 11 meses e 29 dias


Jantarada de salchichas (prato predilecto da catraia, apelidado de palpichas") na nossa varandinha enjaulada.
Esatmos as duas de avental porque estivemos as duas a cozinhar - ela adora cortar salchichas aos bocados. E também foi ela que pôs a mesa e cadeiras na varanda. Está a ganhar uma grande autonomia, a minha companheira de férias.

29 julho 2010

avião

Comecei a lavagem cerebral: falei-lhe em aviões, que íamos andar de avião, se ela queria andar de avião. Que íamos passear - mostrei-lhe fotografias dos sítios e das pessoas.
E hoje de manhã ela acordou, foi ter à minha cama e disse: "Vamos para o avião?".
 
Resultou!

28 julho 2010

férias - está quase

Estamos quase a ir de férias. Ando a adquirir bens essenciais. Ainda não arrumei nada. Tenho de lavar roupa, pensar na festa da miúda, convidar pessoas, escolher um local, escolher uma prenda. Também devia limpar o pó e aspirar a casa. E quero lavar os pés-de-gato.

Vai ser uma aventura!
Tenho cá um medo de que não sejam umas férias absolutamente divinais... Talvez seja pedir demais, mas é o que eu quero: umas férias absolutamente divinais. Fico feliz e contente com coisas simples, por isso chegar ao absolutamente divinal não é difícil.

A título de exemplo, numa passagem de Ano, o que eu queria mesmo era ter um serão jogar às cartas, beber cervejas e comer amendoins. Tive-o! Foi uma passagem de ano absolutamente divinal. Também, quando a paisagem à volta é absolutamente divinal ficamos logo mais aptos a sentir a absoluta divindade das coisas que nos rodeiam. E como a paisagem vai ser assim, já é meio caminho andado.
Depois, há coisas giras para fazer: escalar, passear... (deve haver outras); vamos ser bem acolhidas (por pessoas que gostam de fazer coisas giras e têm ideias giras) e é uma passeio que há algum tempo que quero fazer.
Tudo somado só pode ser ABSOLUTAMENTE DIVINAL!!

Por isso, o quero mesmo é não me chatear com a miúda e tudo o resto seguirá o seu caminho.

27 julho 2010

Com este calor...

Com este calor tomar banho é apenas um pro forma.

Com este calor a água só sai fresca da torneira depois de ter lavado o arroz, os legumes, a loiça e a cozinha.

Com este calor esquecer-me das meias quando vou correr são duas bolhas gigantes em cada pé.

Com este calor estendemos a roupa às 21h30 e ela está seca às 23h.

22 julho 2010

voz

Agora que ando a ouvir os oldies do RCP constatei que a voz sexy do Elvis Presley é parecida à do rapaz sexy do Sobrenatural (série tonta e espatafúrdia que só vale mesmo pelo rapazinho Dean).

Aqui fica o Elvis.

20 julho 2010

Tosquia

Depois de feito o feito, percebi que não o devia ter feito: a miúda levou umas tesouradas no cabelo e o penteado não está grande coisa.
Como para lhe cortar o cabelo é preciso apanhá-la bem disposta, eu vou insistindo de vez em quando à espera da aceitação. Ontem quis. Mas ontem o cabelo dela estava uma pasta (com terra e piscina, mais terra e piscina) que fez com que o corte ficasse imediatamente estranho. Além disso, ela estava mesmo bem disposta, por isso agarrava em madeixas de um lado e doutro da cabeça e dizia: corta aqui. E eu cortava (porque é sempre preciso aproveitar a boa disposição ao máximo). Também se virou de costas para lhe cortar atrás, e eu cortei.
Depois tomou banho, lavou o cabelo (aleluia!) e só hoje demanhã é que me apercebi de uma quantidade de efeitos pós-modernos por cima das orelhas.
Vai ter de haver nova tosquia.

fotos


Levo sempre a máquina quando vou fazer alguma actividade diferente, mas as fotos são semrpe iguais: a miúda a fazer isto ou aquilo.
Ao menos sei onde estive.
Aqui é serra da Arrábida.

19 julho 2010

Espectáculo!

Um fim-de-semana excelente: escalada, piscina, pessoal fixe. É tão fácil!
E a Mariana adorou a tal ponto que não queria regressar comigo, queria ficar com um casal com um miúdo. Só dizia " A mãe vai para a casa nova. A Mariana vai com ela" e apontava para a outra mãe. E repetia com variações "A mãe vai jantar na casa nova. A Mariana vai com ela". Desgraçada!
Experimentámos a escola de Escusa, onde eu fui maricas como de costume, mas fiz muita força e consegui resolver uma via que me parecia impossível para o meu tamanho.
O alto Alentejo é lindo! Aconselho a Portagem e Castelo de Vide.
E também dou por mim a pensar que uma vida boa pode ser muito simples: numa casinha no campo, com rios para tomar banho, árvores e pedras à volta... Enfim. É preciso é saber escolher.

16 julho 2010

realização pessoal

Estou contente porque consegui escalar duas vias que tinha atravessadas há muito, muito tempo. Não quer isso dizer que esteja em melhor forma do que sempre estive, mas estou bem melhor que aquilo que tenho estado nos últimos tempos.
Mas é viciante. Agora tenho necessidade de continuar a fazer exercício. Ontem ainda fiz uns movimentos em casa, a pensar na próxima saída, nas próximas rochas.
Não atingi nenhum pico de forma, nem coisa que o valha, mas fiquei tão contente. E o melhor de tudo foi que a Mariana ficou logo amorosa (aos meus olhos).
Meu Deus, como é bom para vida familiar a realização pessoal!...

15 julho 2010

A vergonha é uma coisa que se perde.

A propósito de não nos inibirmos se nos apetecer fazer um pino num banco de jardim.

14 julho 2010

papéis

Quase a ir de férias e a única coisa em que perco tempo é a pedir assinaturas e papéis e papéis com assinaturas e certos papéis com certas e determinadas assinaturas. A burocracia é uma perda de tempo total e absoluta. Uma estupidez de todo o tamanho.

Nada tem validade. Uma informação só é válida se estiver num determinado papel assinado por uma determinada pessoa de determinada instituição. Não interessa se essa pessoa sabe ou não alguma coisa do assunto, se tem conhecimento sobre a informação que tem o papel. Não, o que interessa é quem assina e o carimbo, e o layout e logo do papel. Isso é que interessa. Verdades objectivas? Só são válidas se devidamente carimbadas.

Estou tão farta da caça ao papel: perdem-se horas, dias, semanas das nossas vidas. Esgotamos a alegria que ganhámos porque o dia anterior nos correu bem, quando sabemos que no dia seguinte temos de ir a duas ou três repartições para ter a valiosa assinatura.

É tudo, tudo treta!

Lembro-me de que há uns anos, resolvi ir fazer um interrail de repente. O meu passaporte estava caducado e precisava de um novo. Quando o fui fazer, o prazo de urgência, que era duas semanas, só estava disponível para quem tinha um bilhete de avião (eu ia de comboio a partir de Itália) ou com uma carta da empresa a dizer que ia em viagem de negócios (que não tinha possibilidade de arranjar). Expliquei a minha situação, mas não me possibilitavam o pedido de urgência. Então, cheia de medo de ser apanhada, escrevi uma carta, assinei e lá fui, tremendo. O senhor perguntou-me se tinha a carta, disse que sim, e o mero vislumbre do envelope foi suficiente para me concederem o pedido de urgência. Ou seja, apenas a assinatura conceptual foi suficiente para a máquina burocrática. Espantoso! A verdade e a pragmática não interessam para nada...

12 julho 2010

Há males que vêm por bem

Apesar da infelicidade que é fecharem o RCP, não posso dizer que fiquei triste com a possibilidade de ouvir música divertida e cantável a todas as horas.
 
 
 

08 julho 2010

Melody Gardot

Tanto tenho ouvido falar na Melody Gardot que resolvi ouvi-la a ela mesma.
Realmente é mesmo bom de se ouvir. E depois também há uma história entre o trágico e o milagroso que a tornam ainda mais curiosa e interessante.
Fica para ver e ouvir.

01 julho 2010

dianteira

Para além das traseiras (onde à noite ainda há grilos, tinha-me esquecido...), temos a fabulosa varanda, onde ocorreu há pouco tempo o primeiro jantar ao ar livre.
Correu muito bem (embora se note alguma urgência na aquisição de uma mesa um pouco maior) e terminou numa das melhores manieras de finalizar um jantar: com cantorias e guitarradas. Eu não canto nem toco, mas tive a sorte de ter por convivas o duo Pedro e Diana, que tocaram e cantaram músicas para a Mariana. Ela gostou tanto, que além de abanar a anca ao ritmo (e fora dele), ainda foi buscar uma harmónica com a qual os acompanhou a preceito. Uma delícia musical!!!

Só não tirei fotos nem fiz vídeos, porque tenho aquela mania de que há coisas que devem ficar na nossa memória em vez de na máquina fotográfica. Tonta...