30 dezembro 2009

Bom Ano!



Beijos, abraços, abreijos, beijaços!

28 dezembro 2009

pós-natal

O Natal já passou: houve Pai Natal, prendas, primos e correrias.
Depois viagem até ao Algarve com paragem em Mértola para ver o Guadiana cheio de água.
No Algarve: passeio na praia com os avós.
 

23 dezembro 2009

Antes e depois



A minha ideia era que o chão desse com a parede, mas a paleta do paintbrush é muito limitada (e eu também).

22 dezembro 2009

solstício de Inverno

Os dias começaram a crescer.
Que bom! Hoje vou visitar a minha casinha e graças a isso já tenho mais um minuto de luz para a contemplar.
Obrigado, ó Sol!
 

17 dezembro 2009

no Teatro Ibérico


Duas saídas de seguida: uma para ver um filme pouco interessante, outra para assistir a um concerto do Samuel Úria.


O concerto foi no Teatro Ibérico, que me traz algumas recordações.



Quando andava indecisa sobre o que fazer após a licenciatura e me interrogava sobre o meu gosto por teatro, resolvi frequentar um curso de teatro e fui parar ao Teatro Ibérico.


Começámos com aqueles exercícios de sensibilização ou relaxação ou o que é, em que somos plantas, fazemos sons, somos animais, etc.


Lembro-me de uma senhora já mais entradota, que estava delirante com o curso e que queria muito representar. Houve uma cena qualquer que tínhamos de improvisar e ela era muito chata e então alguém resolveu matá-la, para ver se ela saía do exercício. Mas ela levantou-se de novo e disse: "Falhaste!".


A outra pessoa deixou passar um tempo, mas passado um bocado matou-a de novo e, para mostrar que era definitivo, cortou-lhe a cabeça e disse "Está morta.". Mas a senhora não desistia (ela queria mesmo continuar na improvisação) e anunciou "Ressuscitei!". Ninguém mais a matou...



Noutro exercício, em que tínhamos de incorporar um animal, eu decidi ser um flamingo - era só encolher uma perna e os braços. O pior foi que a seguir tínhamos de formar um círculo e andar de forma a que as outras pessoas adivinhassem que animal éramos. Para mim, um flamingo era um animal PARADO com uma perna encolhida, de forma que andar era complicado: ou saltava ao pé coxinho (que não tem nada a ver com flamingos) ou encolhia uma perna de cada vez (que também não tem muito a ver com flamingos, mas menos). Ninguém adivinhou. Acho que ainda tentei ser um mamífero: urso ou cão. Não me lembro... Nunca mais lá voltei.


A não ser ontem: para ver um lindo concerto que valeu a pena e a espera

15 dezembro 2009

Os últimos fins-de-semana e feriados, com o frio e a chuva, mais os preparativos para o Natal e os lanches, só permitem pequenas saídas.

Às vezes vamos com mais família, mas outras vamos as duas para Monsanto. Neste último Domingo houve alturas em que tínhamos tudo só para nós. Um espectáculo!

Sempre dá para treinar um bocadinho, correr outro bocadinho e também gozar um bocadinho de sol.Estava com mais vontade de ir até Cascais mas o tempo cronológico não permitiu.

11 dezembro 2009

04 dezembro 2009

festa de natal

Ainda conseguimos ir à festa de Natal, mas foi a correr.
Primeiro na escola disseram-me que ou ficava 7 dias em casa ou precisava da declaração do médico. Não estava com vontade de ir ao médico, mas já que tinha de ir, comecei a tratar de tudo. Liguei para o Centro de Saúde e disseram-me que a médica de família só chegava dia 14 e então tinha de ir na 2ª antes das 9h para marcarem consulta para esse dia. Depois, sem esperança, liguei para o pediatra dela (que é caríssimo e em geral só está a partir das 15h), mas ele disse-me que era só passar por lá para ter a declaração: não se pagava e além disso, sabe-se lá porquê, era uma e meia e ele estava lá. Então saímos de casa a correr, fomos a pé até ao médico e depois do médico à festa tb fomos a pé - tudo em 30 minutos!!! - e chegámos a tempo de a Mariana dizer o poema dela. Claro que mal a vi e não percebi nada do que os miúdos disseram. Depois ainda consegui apanhar 2 rissóis e uma merendinha, mas a Mariana quis logo dar de frosques e agora estamos de novo em casa.
Estava com imenso medo que ela ficasse outra vez com febre e que as educadoras nunca mais acreditassem em mim, mas correu bem.
 
Nestas festas é que sinto mesmo que somos só as duas, no meio daquelas famílias todas com 4 máquinas fotográficas apontadas para cada criaturinha.
E fico triste.

delírio febril

A Mariana está doente. Durante toda a noite a senti quente a meu lado. Às vezes remexe-se e outras vezes acorda e diz coisas inusitadas por causa da febre. Uma delas, vinda do nada, foi: "A mãe é linda", acompanhada de um beijo.

03 dezembro 2009

como vai tudo por água abaixo

Tantos planos, tantas contas se levo o carro hoje ou amanhã e onde é que o deixo e tenho de levar qualquer coisa para comer porque não vou ter porque tenho uma reunião e não posso trabalhar o dia todo, e amanhã também não posso por causa da festa de natal, para onde tenho de levar os copos, mais a almofada (não esquecer!) e ainda dará tempo para a a terapia? Sim, dá. E da reunião de hoje: não me posso esquecer o que quero perguntar, é melhor fazer uma lista. Já está feita. E é preciso ir buscar as revistas, comprar um aquecedor, buscar a rapariga, ir apanhar as águas. Tirar as moradas e preços da net, imprimir tudo, não esquecer de a levar, de telefonar a combinar a hora e local. Está tudo? Sim. acho que sim.
 
"A Mariana tem febre. Pode vir buscá-la?"