09 novembro 2009

ambulâncias

De há uns tempos para cá a minha relação com as sirenes das ambulâncias mudou drasticamente.

Antes, quando ouvia uma sirene, tentava perceber o mais rapidamente de onde vinha a ambulância para lhe poder dar passagem sem a atrapalhar. E, tal como eu, muitas pessoas faziam o mesmo.

Mas como o passar do tempo, as ambulâncias têm ganho mais dinâmica e em vez de seguirem pela passagem que lhes é aberta por todos os outros condutores, fazem o seu próprio caminho: andam em contra-mão, passam sinais vermelhos, atravessam cruzamentos a alta-velocidade, etc.

Com tudo isto, o que me acontece agora quando oiço uma sirene é ficar cheia de medo e esperar receosa de onde é que vai aparecer de repente aquela carrinha a alta velocidade e rezar para que não embata em mim.

Ainda no outro dia, num cruzamento de duas avenidas largas, estava eu a passar com o verde (como é costume), oiço a sirene olho pelo retrovisores a ver se vem atrás (não vem), à frente também não via, e eis se não quando se ela materializa perigosamente entre os carros que estavam parados no cruzamento e atravessa a direito, sem paragens nem contemplações, mesmo, mesmo à minha frente. Foi por um triz…

 

Isto tem de mudar, se não passam a causar mais feridos que aqueles que salvam.

1 comentário:

By Deva disse...

Também me faz uma certa aflição qd conduzo...!