23 junho 2009

reveses

No outro dia fui ao bike tour. Contente por ter de novo uma bicicleta, embora triste por não poder ter ainda uma cadeira para a Maria maluca. A tour é um passeio muito lento, em que a maior prova é uma pessoa equilibrar-se em cima da bicicleta quase parada e conseguir não ir de encontro aos outros 7499 ciclistas.
Depois do passeio fui pôr a bicicleta dentro do carro. Recusei a ajuda de um amigo, porque sei que é uma coisa que vou ter de fazer sempre sozinha, por isso era bom começar a treinar.
Foi um bocado complicado: tive de mudar a cadeirinha da miúda, ela atirou a bicicleta ao chão, não cabia assim, depois não cabia assado, a miúda no meio da estrada, etc... Lá consegui realizar a tarefa e arranquei. A Mariana adormeceu passados 20 metros e eu, passados uns 2 minutos apercebi-me que não tinha posto a roda da frente dentro do carro - tinha-a deixado encostada ao pneu da frente. Voltei atrás, furiosa, desesperada, desanimada, a pensar que não tinha mesmo jeito para possuidora, que eu não nasci para ter coisas: quanto menos coisas tiver, mais feliz fico.
Enfim...
Cheguei ao lugar onde tinha deixado a roda e já lá não estava. No mesmo lugar estava outro carro estacionado. Fui falar com o segurança do prédio onde tinha deixado a bicicleta à tarde e ele não viu nem sabia de nada.Aconselhou-me a ir ao café em frente perguntar se alguém tinha entregado uma roda: nada!... Pedi um papelinho e deixei recado no carro que estava estacionado.
Cheguei a casa muito desanimada. Carreguei a mariana para cima, mais dois sacos de compras, mais dois sacos de tralha e mais uma parte de trás de uma bicicleta nova em folha.

Cheia de calor e desânimo já não consegui dormir, embora me soubesse cheia de sono.

Atalhando, pouco tempo depois ligam-me a dizer que têm a minha roda, o segurança vai buscá-la e diz que a guarda até eu a ir buscar, fui no dia seguinte (o segurança era outro, mas também muito simpático) e feliz com estes reveses que depois tornam à normalidade (tal como o da multa das finanças) fico cheia de fé que a minha casa preferida sempre me venha parar às mãos. Andei alegre dois dias e compensou: posso ter novo a oportunidade de ter a bendita casa.

Enfim, reveses que se resolvem, pessoas em quem se pode confiar, uma casa espectacular para nós. Vamos ver se continua tudo assim: normal e bem disposto.

2 comentários:

pauinha disse...

Espero que sim! Que tenhas muita sorte e que corra tudo bem.

mm disse...

Isto é que é uma leitora assídua!!! Nem dois minutos o post tem e já vai comentado...