29 dezembro 2008

Pós-natal

Ontem cheguei do Natal: com 4 sacos escada acima, uma gripe (das da TV!) e sem filha (com os avós, mais uma vez).
Logo ao chegar ao meu bairro e ao passar à porta do Sou, lembrei-me que havia lá qualquer coisa e, como ainda não era tarde, resolvi ir ver gente. Fui.
Era uma tertúlia sobre coisas que me dizem pouco e num ambiente que também me diz pouco, mas foi bom ver algumas pessoas e trocar algumas palavras. Mas regressei logo para casa. Não me sentia bem ali. Estou sempre com a Mariana, de maneira que depois parece que já nem consigo conviver como antes.
Cheguei a casa, pus a roupa a lavar, vesti o pijama, decidi os planos para a noite: ler um bocadinho deste e um bocadinho dele, deitar cedo, curar a gripe.
A certa altura, contudo, pensei "Ó Marta, vai mas é ao cinema. É hoje a tua oportunidade."
E fui.
Ver O silêncio de Lorna. Gostei. Mas acho que só o facto de ter ido ao cinema me fez gostar mais do que o próprio filme. A ausência de cinema era tanta que só o olhar para a tela gigante era fixe! Acho que senti, pela primeira vez, aquela magia das salas de cinema e do écrã gigante de que algumas pessoas falam e a que eu pouco liguei.
Para mim o cinema, como o teatro, tem o grande inconveniente do público. Que em geral me irrita. Basta uma pessoa com telemóvel a tocar, ou ouvir relatos de futebol, ou rir alarvemente para me estragar a sessão.
Se calhar é raiva acumulada (ou stress, raiva fica mal).
Mas esta correu muito bem e gostei.
 
Chegada a casa estendi a roupa, ainda vi umas curtas na 2 (odeio coisas sobre violações e exploração de mulheres e crianças: o Europa 2007). Depois vi outro filme, com base no Peter Pan e no J. M. Barrie (como é que um filme completamente dedicado à família e às crianças nos intervalos tem cenas de sexo explícito?! Sei que era tarde, mas não compreendo na mesma. Aquela nojeira de publicidade de vídeos dos telemóveis devia ser banida da televisão). E depois ainda fui ler um dos meus presentes de Natal, Os passageiros da noite do Haruki Murakami, que está a correr bem, mas a ficar esquisito: começa a meter ficção científica e não estou habituada a tal. Resultado: adormeci por volta das 3h! Que disparate...

Sem comentários: